Porque é que Jesus só ressuscitou no terceiro dia?

Não é possível dar uma resposta cabal à pergunta do leitor: «porque é que Jesus só ressuscitou no terceiro dia?». Podemos, no entanto, referir alguns dados que ajudam a enquadrar a ressurreição ao terceiro dia.

Primeiro, o contexto cultural. Os judeus só acreditavam que uma pessoa estivesse morta após três dias, mesmo que incompletos; e acreditava-se que a corrupção do corpo começava a manifestar-se ao quarto dia. Se Jesus ressuscitasse antes, poderia sempre dizer-se que Ele não tinha morrido. Não sendo um argumento teologicamente significativo, permite entender o modo como a cultura judaica lidava com a morte.

Há, também, o contexto da própria Escritura. No livro do profeta Oseias, diz-se, a dado passo: «Vinde, voltemos para o Senhor. Ele feriu-nos, Ele nos curará. (…). Dar-nos-á de novo a vida em dois dias, ao terceiro dia nos levantará» (6, 1.2). Segundo os estudiosos da Bíblia, a expressão «ao terceiro dia nos levantará» significa um tempo curto, sem especificar precisamente quanto tempo.

E temos também as afirmações de Jesus, anunciando a sua morte e ressurreição: «Jesus Cristo começou a fazer ver aos seus discípulos que tinha de ir a Jerusalém e sofrer muito (…), ser morto e, ao terceiro dia, ressuscitar» (Mt 16, 21; cf. Mt 17, 22-23; 20, 19; Mc 8, 31).

No Evangelho de Lucas, Jesus afirma que a sua morte foi anunciada «pelos profetas», considerando assim que a mesma se dá no cumprimento das Escrituras cf. Lc 18, 31-33). Mais tarde, São Paulo afirmará também que a morte e ressurreição de Cristo, ao terceiro dia, aconteceram «segundo as Escrituras» (cf. 1 Cor 15, 3-4). Os especialistas consideram que este «segundo as Escrituras», mais do que referir-se a algum texto concreto da Bíblia, afirma que a morte e ressurreição de Jesus cumprem o plano salvador de Deus revelado nas Escrituras.

Para Si:  O culto dos mortos no dia de todos os Santos

Finalmente, temos o testemunho dos Evangelhos, segundo o qual Jesus se deixou ver ressuscitado na manhã do terceiro dia depois da sua morte.
Assim, é no mínimo prudente aceitar a palavra dos Evangelhos, recolhida na Tradição cristã e no Credo, segundo a qual Jesus ressuscitou «ao terceiro dia». Quanto ao «porquê», podemos pacificamente aceitar que isso correspondia ao projeto de Deus.

Partilhe:
36Shares

6 Comments

  1. Na verdade, o real motivo, se trata da passagem da Páscoa, em que Jesus vai ao templo e expulsa os mercadores. Os doutores do templo vêm lhe questionar qual autoridade tinha para isso, e o que o Mestre diz? Diz que poderia destruí-lo e reconstruí-lo em três dias. É para mostrar que o templo do Senhor, não está nas sinagogas, nas igrejas, nos centros espíritas, mas no interior de cada um de nós e que chegariam os tempos em que os templos cairiam por terra, e toda a fartura do ouro e dos luxos clericais, também cairão. Não é por acaso, também que Jesus morre no dia da Páscoa judaica: se trata do mesmo dia em que faz esta promessa.

  2. Faz sentido, mas acho que para a pergunta do “Porque?” somente após 3 dias ele ressuscitou o que mais responde é a questão cultural dos judeus mesmo.

  3. Pingback: Liturgia Familiar: 4º Domingo da Quaresma - Ano B

  4. Pingback: Semana Santa e Páscoa em Leça da Palmeira – Programa 2021

  5. Pingback: Liturgia Familiar: Domingo de Ramos (Paixão do Senhor)

  6. Pingback: Liturgia Familiar: Domingo de Páscoa - Ano B

Deixe um comentário

Navigate
36Shares